Serviços de postagens suspensos dos Correios já estão disponíveis. Empresa adotou a medida em resposta à greve de caminhoneiros

Os Correios, na quarta, 6, retomaram os serviços de postagens com hora e dia marcados em todo o país: a postagem já está disponível. Devido à greve dos caminhoneiros, que teve fim na última semana, a empresa informou que estariam suspensas as entregas de correspondências do tipo Sedex 10, 12 e HOJE.

“Os prazos de entrega para todas as modalidades de postagens também estão normalizados. A suspensão dos serviços Prime e a alteração nos prazos dos demais serviços foram medidas adotadas em decorrência da greve dos caminhoneiros, que atingiu todo o país.”, segundo o site oficial dos Correios.

Quanto à agilidade na entrega de correspondências atrasadas, a empresa declara que já se organiza e deve regularizar a situação o mais rápido possível a fim de que cada postagem chegue a seu destino final . “O acúmulo foi inevitável, já que os veículos da empresa ficaram impedidos de chegar ao seu destino por causa de bloqueios nas estradas ou devido à falta de combustível.”

Neste final de semana, os Correios devem se preparar para mutirões de distribuição da carga restante e daquelas que ainda chegam às unidades operacionais.

Gabriel H. S. Fécchio – Jornalista
MTB: 0085536/SP
Graduado em Comunicação Social: Jornalismo pelo UNIFAE – Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino – FAE

Correios devem alterar prazos de encomendas em razão da greve de caminhoneiros, segundo a empresa

A empresa de correspondências e telégrafos, Correios, anunciou, nessa quarta, 23, alterações em datas de entregas de postagens e encomendas.

Segundo a empresa, com a greve de caminhoneiros que se intensificou no país já nesta semana, “estão temporariamente suspensas as postagens das encomendas com dia e hora marcados (SEDEX 10, 12 e HOJE).”

Os Correios também afirmam que continuarão a receber postagens do tipo PAC e Sedex, porém serão acrescidos alguns dias no prazo relativo às entregas.

“Os Correios estão acompanhando os índices operacionais de qualidade de toda essa cadeia logística e, tão logo a situação do tráfego nas rodovias retorne à normalidade, a empresa reforçará os processos operacionais para minimizar os impactos à população. A empresa entrega, mensalmente, cerca de meio bilhão de objetos postais, dentre eles, 25 milhões de encomendas. São mais de 25 mil veículos, 1.500 linhas terrestres e 11 linhas aéreas que circulam pelo país de norte a sul.”, citação retirada do site oficial dos Correios.

Gabriel H. S. Fécchio – Jornalista
MTB: 0085536/SP
Graduado em Comunicação Social: Jornalismo pelo UNIFAE – Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino – FAE

 

Avenida Independência terá os serviços de Zona Azul em São José do Rio Pardo. Moradores e Empresários discutem sobre implantação dos serviços no local

Independência ou morte: a frase histórica brasileira essencial na emancipação do país remete o rio-pardense a uma das avenidas mais movimentadas de São José do Rio Pardo, a Independência, que, em breve, deve se tornar monitorada pelos guardas da Zona Azul.

“Este é um pedido de administrações anteriores, como a população tem reforçado sobre a implantação do serviço de Zona azul na Independência, a secretaria já está se organizando quanto a isso.”, afirma Pedro Folharini, secretário de segurança e trânsito.

Gisele A. Rezende, auxiliar administrativo, diz que a introdução dos serviços de Zona Azul vai atrapalhar a circulação de indivíduos no local. “Além disso, atrapalha também quem trabalha e precisa estacionar.”, descreve Gisele.

Mas para o advogado Marco Antônio Bertho, a Independência já é uma avenida comercial e que seus clientes e de outros empresários têm dificuldades em estacionar devido aos espaços ocupados quase o dia todo. “Eu sou a favor de colocar a Zona Azul.”, declara.

A Imparciup realizou uma pesquisa com 35 pessoas de empresas, consultórios, escritórios e residencias localizadas na Independência para saber qual opinião delas em relação à mudança. 20 pessoas são contra a inserção da Zona Azul e 15 são favoráveis à proposta. Dentre as justificativas contrárias, encontra-se o estacionamento de acesso limitado e a cobrança exigida, já entre as justificativas favoráveis ao serviço, estão a livre circulação de carros e o trabalho jovem. 

Diferente de ruas como a Francisquinho Dias e alguns trechos da Francisco Glicério, que possuem número expressivo de lojas e comércios do tipo varejista e que são organizadas pelos guardas da Zona Azul há anos, a Independência, principal via de acesso, conta com residências, comércio, escritórios e consultórios médicos. Para moradores e empresários, os pedidos de quem quer e não quer os serviços prestados pela Guarda Mirim se estendem há anos e que ainda não há um consenso.

A moradora Ana Caroline relata que é difícil pensar neste serviço para os moradores. “Isso nos atrapalha, tira liberdade de quem mora aqui, imagine pagar para estacionar em frente a sua casa.”, expressa. 

Segundo o secretário de Segurança e Trânsito Pedro Folharini, já está confirmado a implantação dos serviços da Zona Azul na Independência. “Só estou dependendo da providência de placas pela Guarda Mirim para começar o trabalho de monitoramento.” Em conversa com Kátia, responsável pela Guarda Mirim, a previsão de que funcione a Zona Azul na Independência seja em junho.

Gabriel H. S. Fécchio – Jornalista
MTB: 0085536/SP
Graduado em Comunicação Social: Jornalismo pelo UNIFAE – Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino – FAE

 

 

 

Acorde ou Acordo

Aos professores de português, qual o uso do verbo correto para definir construção de empresas e indústrias em São José do Rio Pardo?

A prefeitura de Guaxupé lançou um vídeo informativo para atrair empresários à cidade localizada no sul de minas. Guaxupé oferece incentivos fiscais, terrenos e subsídios para que qualquer empresa seja construída naquelas áreas, além de se autodenominar um ponto estratégico entre outras cidades regionais, inclusive São José.

Semana passada, também, segundo a Gazeta do Rio Pardo, São João da Boa Vista disponibilizou três terrenos, através de doação, para três empresas de pequeno e médio porte se instalarem no local, o que na fala do prefeito Vanderlei Borges, de São João, irão criar 160 vagas de emprego. São acordos realizados para promover o trabalho e o desenvolvimento urbano dos municípios em questão.

São José do Rio Pardo ainda é uma reticência, onde não há nenhuma cessão de terra para estes fins, muito menos doação. Conforme o vereador Rafael Kocian, há vendas de lotes para empresas – diferentes formas de enxergar, porém com olhos míopes para a terra do rio pardo. Como no comentário de Grazi Procópio, no Facebook: “A região toda crescendo, e, como sempre, São José parada…

São José está inerte nesta questão de incentivos fiscais e elaboração de projetos para instalação de grandes, médias e pequenas empresas. Ela é um interior não acordado, em modo de soneca. E que o uso do verbo se torne, e se faça prevalecer, cumpra-se e, assim, faça acordar. Por favor, São José do Rio Pardo, dormir não mais, trabalho já se começa desde cedo.

Por: Gabriel Fécchio – Jornalista
MTB: 0085536/SP

IBGE divulga dados de acesso à internet de 2016

116 milhões de brasileiros – este é o número de indivíduos que acessaram a internet em todo o Brasil, em 2016. 

O texto foi lido no G1 de notícias, já a informação foi retirada do IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas, que através da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio Contínua (PNAD C) indicou que 64,7% do brasileiros, acima de 10 anos, possuem acesso à internet.

O celular é o principal recurso de conexão. Enviar mensagens, trocar imagens, vídeos e textos em aplicativos de bate-papo, como Facebook, Whatsapp, Instagram, são as principais atividades de 94,6% dos navegantes.

Mulheres usaram mais que homens, índice de 65,5%, elas, e 63,8%, eles. Indivíduos de 18 a 24 anos representam a faixa etária mais conectada, 85% dos pesquisados.  No Sudeste do país, onde se encontra São José do Rio Pardo,  maior índice por região e estado, 72,3% das pessoas estão online.

Por: Gabriel Fécchio – Jornalista
MTB: 0085536/SP

 

“Em sua opinião, o que faria São José do Rio Pardo crescer?” Pergunta repercutiu no Facebook esta semana

“Em sua opinião, o que faria São José do Rio Pardo crescer?” Alguns rio-pardenses têm a resposta para o crescimento do município, porém, no Facebook.

Opinia

Fabrício Santiago de Souza, morador de São José desde que nasceu, é autor da questão acima e descreve ao Imparciup que estava pensativo em como poderia fazer para ajudar São José voltar a crescer. “Éramos bons na agricultura, na saúde, no turismo… Hoje, São José do Rio Pardo parou.”

A pergunta foi publicada no perfil de Fabrício no Facebook, no dia 18 de fevereiro, e o que ele menos esperava era a repercussão tida. “Fiz a pergunta no meu Face, mas não sabia que iriam ter tantas respostas.”, relata.

A maioria dos comentários à publicação feita pelo zelador de condomínio estavam relacionados à administração de Ernani Vasconcelos como prefeito, à insatisfação pela administração política atual, e à falta de geração de empregos na cidade. Maurício Ferreira, do grupo Emprega Rio Pardo, respondeu: “Trazer novas Empresas para a Cidade.”, já Janaína Marcos afirma que para a cidade crescer deve-se “dar mais empregos às pessoas que realmente querem trabalhar, além de apoiar a agricultura, incentivar esportes públicos aos nossos filhos e ter cuidados com o patrimônio urbano.”

Coments

Comentários sobre a pergunta realizada por Fabrício

A página Emprega Rio Pardo compartilhou a postagem e obteve o mesmo resultado que Fabrício. Fabiana Lambardozzi, através do Emprega, comentou que, na opinião dela, “em primeiro lugar, a própria população erra colocando sempre os mesmos políticos, dos mesmos partidos, que nada fazem por nós.” E faz um apelo: “Vamos acordar Rio Pardo e cobrar o que é nosso de direito”.

Fabrício concorda que a população rio-pardense espera que haja mudanças tanto na forma de administrar quanto na busca de melhorias para a Rio Pardo. “Todos nós pensamos iguais quando os quesitos são emprego, política, economia, saúde e infraestrutura. Eu vejo que alguns pensam em tirar o prefeito, eu já não penso assim. Eu penso em um crescimento para nossa cidade com a colaboração de todos, principalmente daqueles que foram escolhidos pra nos representar na Câmara e na Prefeitura.”, declara Fabrício.

No Face, foram aproximadamente 40 respostas ao compartilhamento do grupo Emprega Rio Pardo e 23 à publicação original, num total de 63 comentários. 

Por: Gabriel Fécchio – Jornalista