Obscura miséria – O abandono e descaso social e familiar

Imparciup

O retrato escuro e profundo registrado por uma cicatriz econômica e social de uma sociedade qualquer: é a miséria. Não somente a miséria econômica, mas a solidão, o abandono, o descaso social. Neste retrato somos convidados a conhecer a realidade existente em comunidades, zonas quase inabitadas, favelas, locais distantes da confusão urbana e cotidiana. 

Rosaria, de 62 anos, vive no Paula Lima, zona rural de São José do Rio Pardo. Mora sozinha, “Eu e Deus!”, afirma, em uma casa com dois cômodos compactos e em uma comunidade de casas de aluguel, e sobrevive apenas com a aposentadoria do marido falecido. Pela idade avançada, não tem o apoio dos filhos, que residem em municípios não próximos. Ela é uma pessoa que se enquadra em um perfil de pobreza, solidão e abandono. 

ELa

O estado de saúde de Rosaria é sério, com um tumor grande na tireoide, o que lhe impossibilita de…

Ver o post original 312 mais palavras

Anúncios

News of the World – (1977) – Queen #3

Resumo de livro

Resultado de imagem para queen news of the worldNews Of The World – 1977

1 – We Will Rock You – Brian May – 2:01
2 – We Are The Champions – Freddie Mercury – 2:59
3 – Sheer Heart Attack – Roger Taylor – 3:26
4 – All Dead, All Dead – Brian May – 3:09
5 – Spread Your Wings – John Deacon – 4:32
6 – Fight From The Inside – Roger Taylor – 3:03
7 – Get Down, Make Love – Freddie Mercury – 3:51
8 – Sleeping On The Sidewalk – Brian May – 3:06
9 – Who Needs You – John Deacon – 3:05
10 – It’s Late – Brian May – 6:26
11 – My Melancholy Blues – Freddie Mercury – 3:29

News of the World, sexto álbum do Queen, fez parte de um momento de mudanças para a banda. Tendo alcançado fama e chegado ao ponto de ser venerada…

Ver o post original 908 mais palavras

‘Vingadores: Ultimato’ será o último filme de Gwyneth Paltrow na Marvel

UFW

Atriz ‘se aposentou’ da produtora norte-americana e afirma que participar de ‘Homem de Ferro’ foi uma ‘experiência maravilhosa’

Gwyneth Paltrow – Photoshoot for Frederique Constant 


Gwyneth Paltrow declarou à Variety nesta terça-feira, 19, que não faz mais parte da Marvel, o que quer dizer que seu último filme na produtora será Vingadores: Ultimato, previsto para estrear em 25 de abril deste ano no Brasil.

“Estou um pouco velha para estar em uma armadura [de heroína]. Eu me sinto sortuda em ter participado deVingadores, porque fui convencida a fazê-lo”, disse a atriz de 46 anos.

Além disso, ela afirmou que foi uma “experiência maravilhosa” fazer o primeiroHomem de Ferro, de 2008, e que está disposta a voltar caso um dia precisem dela.

Ver o post original

Carência em Família – A história de famílias rio-pardenses em extrema pobreza

Imparciup

Vidas Secas, de Graciliano Ramos, retrata minuciosamente a miséria enraizada nas áreas mais castigadas do Sertão. Na obra, a família sertaneja – um homem, sua esposa, dois filhos e o cachorro – se vê obrigada a buscar uma perspectiva mais acessível e adequada de vida em relação àquela na qual se encontra para se distanciar dos percalços vividos por inúmeras famílias de forma deplorável, sem acesso ao alimento, à moradia digna, frutos do descaso social e do Poder Público.

Este aspecto e esta identidade mencionados são sinônimos para milhares de rio-pardenses. Nem sempre um pai presente, às vezes laços familiares em que a mãe é a única representante e organizadora das necessidades básicas de dentro do lar, ou uma avó, assim como Dona Marinalva, de 54 anos, que convive e abriga seis netos. Dona Marinalva permitiu que sua história fosse veiculada.

Moradora do Jardim São Bento, bairro aos fundos…

Ver o post original 1.077 mais palavras

No Meu Bule Não!

Uma Julieta Moderna

46622815_343914776392623_124249667251732480_n

Depois do episódio em que uma fazenda certificada pela Starbucks é flagrada utilizando trabalho escravo, em agosto desse ano, uma nova campanha está mobilizando a internet. A hashtag “No Meu Bule Não” alerta para a situação que coloca em risco 450 famílias do Quilombo Campo Grande, em Minas Gerais.

Desde 1998, a Fazenda Ariadnópolis é disputada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que espera que essas terras sejam destinadas para a reforma agrária.

Em 2011, foi requerida pela massa falida da companhia agropecuária “Irmãos Azevedo” (Capia) a “Ação Reintegratória de Posse nº 0024.11.188.917-6”, que ficou parada durante 5 anos, até que foi homologado o plano de recuperação judicial de Capia, em 2016. A partir daí os interesses do barão do café, João Faria da Silva entram em jogo. A minuta da massa falida dos Irmãos Azevedo incluía o arrendamento de 3.195 hectares da Fazenda Ariadnópolis para a Jodil…

Ver o post original 219 mais palavras

Os Brasileiros de o Pica-Pau: “Vamos às Cataratas de Nova Rezende”

Cenário chuvoso em Petúnia, distrito de Nova Rezende, em 19 de novembro. Nunca foi tão real a afirmação: “Dia gostoso para se estar deitado”. Entretanto, a labuta é um martírio de todos, pelo menos, em uma ocasião de monotonia até em horas de trabalho, emerge, assim, o lado criativo pessoal. Pensar que minha avó já dizia que mente vazia, condomínio do diabo, embora os personagens desta história literária jornalística acabaram por reverter a significação desta frase que inclui o pai da mentira.

Bruno Paulino, frentista em um posto de combustível em Petúnia, transformou um momento de simples excitação temporal e climática em uma cena, com traços individuais e realísticos, igual àquela do episódio do Pica-Pau: Vamos às Cataratas. Aqueles que tivessem participado da produção audiovisual nem sequer compareceriam às cataratas do Niágara, apenas apresentaram um simulacro do acontecido, de 1956, de o Pica-Pau.  

Eu, o jornalista Gabriel Fécchio, haveria de receber o vídeo em meu celular através de uma amiga.

Inicia-se, 20 de novembro:

Gabriel: – Ana Paula, este pessoal que está no vídeo é de Mococa?

Ana Paula: – Não!

Então, vamos até a fonte. Era fácil, nasceu no Facebook. Um compartilhamento, logo, os responsáveis pela criação estariam em um perfil longínquo de mim. Entre os cinco participantes, escolhi o perfil de Bruno. Não demorou para que me respondesse; um homem bastante educado e carismático.

Gabriel: – Bruno, de onde surgiu a criatividade para se fazer o vídeo?

Bruno: – Foi algo instantâneo. Estávamos no serviço, todos de capa amarela – eu, o Regis Alves, Renato Prass, Elaine Magalhães e o Benjamin; com um Baril, mais a chuva e o movimento parado do bairro, e alguém mencionou os personagens de o Pica-Pau. 

Em “Vamos às Cataratas”, Pica-Pau tenta descer o Niágara em um barril, porém é impedido pelo guarda responsável pela área, que desliza as grandes cachoeiras enganado pelo pássaro. No episódio de Bruno, as cataratas eram as águas que escorriam em contato ao meio-fio, e o barril não carregava ninguém. Bruno diz que tinha um candidato.

Gabriel: – Em o Pica-Pau, tinha o guarda para se opor ao ato do pássaro, e no caso de vocês?

Bruno: – Tinha sim, o Alan Parrudo, mas a água não deu conta de tocar.

Ironicamente, tão irônico como a conversa entre mim e o Bruno, foi a reação de todos eles quando o vídeo se tornou sucesso. São milhões de visualizações em alguns dias. E eles acham engraçado e estão felizes. Para mim, já são mais de horas acordado para fazer este texto e pesquisar além do fato. De forma teórica, as Cataratas norte-americanas atraem muitos turistas, e a última vez que uma pessoa desceu em queda livre foi em 1990.  As leis proíbem; é ilegal. O brasileiro consegue mais. É legal, criativo, foi lá no município de Nova Rezende, Minas Gerais.

A fórmula é – criatividade, cinco brasileiros, capas amarelas, um barril e muita, mais muita chuva. Observe, São Pedro se enraiveceu pois a água transbordava a calçada. “Bruno descreve que os efeitos especiais foram cedidos por São Pedro“. Aliás, época do ano que chove demais em Petúnia. Em São José do Rio Pardo também tem chovido. Pouco, mais choveu. 

Pensamento: Fiquei preocupado. Minha mãe pediu para retirar os aparelhos da tomada.

Falava com Bruno pelo Facebook; se trovoava, não poderia desligar o computador nesse instante.  Tudo começou com a chuva, porque terminar agora?! Bruno, Elaine, Regis Alves, Renato Prass, Elaine Magalhães e o Benjamin confirmam a mesma ideia, um novo vídeo em breve. Talvez, faça jus estas palavras – precisaria iniciar este novo texto – Os brasileiros das cataratas de Pica-Pau, e isso tudo ocorre “Quando a pessoa assiste muito Pica-Pau.”

Eu sou seu jornalista de sempre, Gabriel Fécchio! 

O Transporte Escolar Público Rio-pardense vai mudar – O que não foi explicado

A polêmica quanto ao transporte escolar data do início deste ano vigente. A mudança era prevista para agosto, mas não foi adiante.

Em 2019, o transporte público será destinado àqueles que residem em locais em que a escola mais próxima está acima do limite de percurso permitido. Como Jornalista, eu, Gabriel Fécchio, quero esclarecer, através de argumentos, o caso dos Transportes:

A Prefeitura retirou o transporte escolar dos alunos rio-pardenses?

Não. Na verdade, as discussões para que o transporte seja limitado pela área espacial são antigas. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional determina que compete aos Estados assumirem o transporte dos alunos matriculados na rede Estadual – Euclides da Cunha, João Gabriel Ribeiro, Tarquínio, Cândido Rodrigues, Laudelina, Stella, são escolas públicas estaduais. O município é responsável pelo transporte municipal.

Meu filho não poderá estudar na escola que eu quero?

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional estabelece à criança e ao adolescente o direito de estudar o mais próximo possível de sua residência. Sempre haverá prioridade em caso de proximidade, com objeção se existirem vagas. Quer dizer, quando matriculados todos os alunos dentro da área espacial escolar é que poderão matricular outros alunos.

Foram matriculados os alunos da localidade, tem vaga, a vaga é sua? E o transporte?

Sim, a vaga é sua. Já o transporte é responsabilidade da família, uma vez que, pensamos em São José do Rio Pardo, o Estado deve atender quem está dentro dos limites exigidos. Escolas são suficientes, não suficientes para se adequar aos seus critérios.

O Estado cortou gastos?

Talvez, mas ele cumpre o que por lei se propõe desde 1996. Não há mais motivos para se ter gastos excessivos. São José do Rio Pardo tem sete escolas estaduais, principalmente que incluem Ensino Fundamental e Médio, com amplas condições de acesso, estas localizadas no Vale, ou no Santo Antônio, ou no Centro, ou no Vila Pereira, algo diferente de muitos anos atrás.

Ao invés de retirarem o transporte, por que não o melhoram?

Só o fato de diminuírem a frota já é justificativa para poderem melhorá-la, porque não gastarão tanto como antes, logo, mais dinheiro, maiores adequações e benefícios.

#Imparciup #Starkassistencia #Doutorsmartsjrp #PegaPegasjrp#Dricakesjrp #4NerdsOficial